CREA-DF
Sexta, 09 Março 2018 20:16

Viaduto do Eixão não precisa ser demolido, afirma engenheiro do Crea

Escrito por G1
Avalie este item
(1 Votar)

 Em uma entrevista coletiva no Palácio do Buriti, na manhã desta quinta-feira (8), o engenheiro da Universidade de São Paulo (USP), Pedro Almeida, disse que o governo do Distrito Federal não deve demolir o que sobrou do viaduto do Eixão, que desabou parcialmente no dia 6 de fevereiro. Na quarta (7), a Universidade de Brasília (UnB), encarregada pelo GDF de fazer um laudo da estrutura, recomendou que o viaduto fosse completamente derrubado.

 

O governo afirmou que ainda não recebeu o documento da UnB. Mas o professor da USP, chamado pelo Conselho Regional de Engrenharia (Crea), defendeu a decisão anunciada pelo GDF na sexta-feira (2) de revitalizar – e não demolir completamente – o viaduto, aproveitando partes da estrutura.

Para Almeida, "o problema no Eixão é entre a base do viaduto e a laje, que infiltrou água e foi corroendo o cabo", e não há necessidade de demolição.

"Diante de uma ação que leve a um desabamento, a estrutura tem que fissurar exageradamente para que se tome providências. Essa não se deformou, desabou em questão de segundos.”

Segundo Almeida, o viaduto só deve ser demolido se o custo para recuperar a obra for maior do que a construção de um novo, o que acha improvável.

"É irresponsabilidade demolir uma construção pública que é recuperável.”

Para o diretor do DER Márcio Buzar, há um consenso que é demolir todos os balanços que compõem a estrutura do viaduto. "Mas afirmamos que aproveitaríamos as fundações. Quanto ao tabuleiro, vamos ver a viabilidade financeira da recuperação”, disse Buzar.

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea) também defendeu que o viaduto não seja demolido. “Nós não podemos entrar no mérito da opinião da UnB, mas hoje o Crea tem convencimento, por meios técnicos e estudos de Pedro Almeida, que é viável a recuperação“, disse a presidente do conselho, Fátima Ribeiro.

Em fevereiro, a posição do Crea era outra. Um dia após o desabamento, o conselho mostrou um relatório de 2009 onde pontuava a necessidade de o GDF tomar "providências imediatas" em relação à "condição patológica" do viaduto que está sobre a Galeria dos Estados, na região central de Brasília. O ponto citado era exatamente onde parte da estrutura ruiu.

Nesta quinta, a presidente do Crea justificou que a análise logo após o acidente foi feita "a olho nu", sem estudos mais aprofundados.

A UnB não compareceu à entrevista convocada pelo GDF, mas o governo disse que vai “levar em consideração” o relatório da Universidade de Brasília antes de tomar a decisão final sobre as obras.

Muito além do aceitável

A análise feita pela UnB se baseia em cálculos complexos que, ao final, geram um "índice de risco". Segundo o relatório, um resultado 100 já representaria risco elevado de queda. No viaduto da Galeria dos Estados [Eixão Sul], o nível apurado foi de 240 – 140% a mais que o nível crítico.

De acordo com o relatório, a queda do viaduto foi causada por uma rachadura de 1 cm na estrutura de uma das lajes de sustentação. "A convergência dos resultados do estudo indica a necessidade de demolição", apontou o professor Marcos Honorato.

Próximas etapas

O GDF promete revitalizar o viaduto do Eixão até o final de 2018. Segundo o diretor do DER, Márcio Buzar, o custo total da obra deve ser definido quando o projeto final ficar pronto. O processo licitatório deve ser lançado em um mês. A verba, de R$ 50 milhões, já foi disponibilizado pelo GDF para a reforma do viaduto e de outras obras.

 

Última modificação em Sexta, 09 Março 2018 20:20

Meus itens