CREA-DF
Quinta, 21 Novembro 2019 20:41

Seminário "Responsabilidades do Engenheiro Agrônomo e do Engenheiro Florestal na Prescrição do Receituário Agronômico".

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Com o objetivo de elucidar aos participantes sobre sua responsabilidade enquanto profissional, mostrando o passo a passo do receituário para Engenheiros Agrônomos, Engenheiros Florestais e estudantes, para que, quando forem passar os diagnósticos de campo para os produtores rurais não aconteça nenhum equívoco de informação, garantindo proteção à sociedade, que o Crea-DF promoveu na quarta-feira (20), no plenário do Crea-DF o “Seminário Responsabilidades do Eng. Agrônomo e Eng. Florestal na Prescrição do Receituário Agronômico”

 

Além disso, o evento teve a finalidade de assegurar que o receituário agronômico seja prescrito por profissional legalmente habilitado, ratificando a visão institucional do Crea-DF de ser excelência na fiscalização do exercício profissional com credibilidade e comprometimento social, evitando a contaminação e poluição do solo por agrotóxicos.

Mesa de Abertura

Fizeram parte da mesa de abertura a presidente do Crea-DF, Fátima Có, representando o presidente do Confea, o Conselheiro Federal Luiz Corrêa Lucchesi, a Subsecretária de Defesa Agropecuária, Danielle Kalkmann, o Conselheiro Federal Aníbal Lacerda, o representante da Federação da Agricultura e Pecuária do Distrito Federal (FAPE-DF), Hermes Jannuzi; a Coordenadora do Programa de Olericultura-Emater-DF, Adriana Nascimento e o Coordenador Adjunto da Câmara de Agronomia do Crea-DF, Ricardo Gaspar. O evento também contou com a presença do Diretor financeiro da Mútua, Luiz Henrique Lobo e do Conselheiro Federal, Laerte Marques da Silva.

Papel do Crea-DF

A presidente do Crea-DF, Fátima Có, afirma que o foco da ação do Conselho se concentra na parte educativa e preventiva: "Somos fundamentais para a segurança da população. A nossa profissão atende à sociedade, precisamos fazer mais projetos e mais propostas educativas como esta e a casa está aberta para a discussão desses temas, temos que mostrar a cara para a sociedade para que possamos trazer bons resultados".

 

 

 

 

Importância do tema

O Conselheiro Federal, representando o presidente do Confea, Luiz Corrêa Lucchesi frisou a importância da utilização correta dos receituários: “A fiscalização do exercício profissional é muito importante, o receituário é um instrumento fundamental para a atuação do profissional e a garantia de que estamos protegendo a população com alimentos seguros”.

 

 

 

 

 

Responsabilidade do Profissional

A Subsecretária de Defesa Agropecuária, Danielle Kalkmann falou sobre o papel do profissional no crescimento econômico do país: “É uma grande responsabilidade, nós ocupamos um papel muito importante na sustentabilidade do agronegócio do Brasil, mas claro que toda essa importância traz junto várias responsabilidades e é importante nos atermos a isto”.

 

 

 

 

Assistência

O Conselheiro Federal Aníbal Lacerda mencionou o acompanhamento da ação. “Nós precisamos ter maior responsabilidade nesses aspectos dos agrotóxicos, não basta apenas fazer a prescrição, precisa ser acompanhada da assistência técnica que é o fator fundamental, é a nossa grande bandeira dos engenheiros agrônomos e florestais”.

“Ressalto a relevância de eventos envolvendo a agronomia, para que os profissionais possam ter cada vez mais espaço para discussões que levarão à melhoria do serviço que oferecemos para a sociedade” falou a Coordenadora do Programa de Olericultura-EMATER-DF, Adriana Nascimento.

 

 

 

 

Receituário agronômico

O representante da Federação da Agricultura e Pecuária do Distrito Federal- FAPE-DF, Hermes Jannuzi afirmou que: “A responsabilidade do Engenheiro Agrônomo na prescrição do receituário agronômico é fundamental, pois a aplicação de defensivos agrícolas pode causar problemas de saúde ao campo, ao trabalhador e à sustentabilidade em termos de propriedades agrícolas”.

 

 

Orientações

“A questão do receituário agronômico passa muito por uma cultura brasileira de automedicação. As pessoas tomam remédio sem orientação, e aplicam agrotóxico sem orientação, isso é grave, então essas discussões são de suma importância para a mudança efetiva deste mau hábito. E a responsabilidade é nossa, dos engenheiros” disse o Coordenador Adjunto da Câmara de Agronomia, Ricardo Gaspar. 

 

 

Após a abertura o evento seguiu com a programação e ao final os palestrantes voltaram á mesa para responder as perguntas da plateia. O evento contou com o patrocinio do Confea.

Última modificação em Segunda, 25 Novembro 2019 20:16