CREA-DF
Segunda, 16 Março 2020 17:46

A equação das gerações "Y" e "Z"

Escrito por Jéssica Ribeiro, com supervisão de Giselle Guedes
Avalie este item
(0 votos)

Semana Mulher Quarta feira

Na última reportagem da série "Semana Mulher Crea-DF", contaremos a história de uma estudante e de uma profissional da nova geração e como elas têm conquistado espaço dentro da área de atuação.


foto 1

Estudante

Jorrana Barros, cursa o 10° semestre de Engenharia Civil no Centro Universitário de Brasília-UniCEUB e faz estágio no Crea-DF. O desejo por atuar na área surgiu ainda no Ensino Fundamental, quando um professor de matemática percebeu que a aluna tinha facilidade no campo das ciências exatas. O docente pediu que Jorrana investisse na pesquisa sobre o curso. A estudante seguiu os conselhos e no Ensino Médio já tinha decidido a profissão que queria seguir.

Já na universidade, ainda que o número de mulheres esteja aumentando, a participação feminina seguia abaixo do ideal. “No primeiro semestre, nós éramos 11 mulheres, acho que foi um recorde na época.”

Jorrana faz parte da chamada geração Z, que compreende os nascidos entre os anos de 1992 e 2010. Os integrantes deste grupo já nasceram com habilidade de acessar tabletes e celulares. Quando o assunto é  tecnologia estão sempre um passo a frente com relação a geração de seus pais.

Desafios

Segundo ela, a jornada de estudos e trabalho é um dos principais desafios enfrentados. "A maior adversidade que enfrento como estudante é conciliar o estágio com a faculdade. Por mais que a gente tenha uma rotina, tenho pouco tempo para me dedicar aos estudos”, afirma.

Esperança

Segundo ela, o cenário tem tido mudanças e são poucos os casos de desrespeito às mulheres no ambiente acadêmico e profissional. Com essa percepção, Jorrana se mantém animada com as mudanças. "Tem uma frase da Michelle Obama que me passa muita motivação: Seja sempre fiel a si mesma, e nunca deixe que alguém desvie de seus objetivos".

 

A visão da geração Y

foto 2Após sei anos de formada pela Universidade de Brasília-UnB, a Engenheira Carolina Cerqueira faz parte da Gerência de Análise Técnica também no Conselho. O gosto pela área veio desde a infância. Durante a faculdade adquiriu experiência ao fazer estágios, contudo após terminar a graduação não tinha perspectiva de onde atuaria. “O meu foco era fazer concurso público, mas queria começar a atuar como profissional da área então fui trabalhar com meu pai, praticando a experiência que tive quando ainda era estagiária” conta.

Carolina representa a geração Y também conhecida como millennials, que nasceram entre o início da década de 1980 até 1995. Os millennials vieram em um contexto socioeconômico marcado por avanços. No tocante a tecnologia, são os primeiros a terem contato com o computador e a internet no cotidiano, dominando estas ferramentas com propriedade.

Indagada sobre o que aconselharia para as próximas gerações de engenheiras, Carolina orienta: “Estude, busque sempre se especializar. Quanto mais conhecimento melhor, o diploma de graduação não é suficiente para se destacar no mercado de trabalho que é tão competitivo. Invista em estágios durante o curso, pois é uma das oportunidades de contato com a área” recomenda.

Última modificação em Terça, 17 Março 2020 17:24