CREA-DF
Sexta, 09 Fevereiro 2018 16:11

Ponte JK e Conic: estado de equipamentos públicos preocupa moradores do DF

Escrito por G1
Avalie este item
(0 votos)

Um vídeo gravado por funcionário do Conic, em Brasília, mostra rachaduras, vigas aparentes e um vazamento de água que compromete a segurança do teto da garagem subterrânea do espaço. As imagens foram divulgadas nesta quinta-feira (8). Pessoas que trabalham no edifício disseram à TV Globo que as paredes "estão se desmanchando".

 

A preocupação veio à tona, mais uma vez, desde a última terça (6), quando parte de um viaduto desabou na área central de Brasília.

Apesar de a garagem do Conic está interditada há sete anos, o problema se arrasta há mais tempo, desde 2000, quando a Defesa Civil do Distrito Federal condenou a estrutura. De acordo com o órgão – responsável por minimizar riscos de desastres –, há 18 anos o local já possuia vigas deterioradas e parte da estrutura desgastada, além de ferragens e fiações elétricas expostas. Desde a época, para a Defesa Civil, faltava "manutenção adequada".

A mesma situação de degradação do Conic foi constatada pela Terracap em 2015. A agência é dona dos dois pavimentos de garagem e admitiu no documento que todos os laudos, relatórios e pareceres técnicos são unânimes em diagnosticar os problemas estruturais. O desgaste, segundo a apuração da TV Globo, é capaz de "comprometer a segurança dos prédios e a dos usuários do Setor de Diversões Sul".

Na tentativa de amenizar o problema, desde o ano passado, a Terracap colocou um escoramento no teto da garagem. O especialista do Conselheiro Regional de Engenharia e Agronomia (Crea) João Bosco Ribeiro analisou as imagens e disse à reportagem que a situação é grave.

Nesta quinta, o órgão disse à reportagem que "vendeu" o imóvel no primeiro edital de licitação deste ano – e, portanto, a responsabilidade seria do novo dono para "custeio quanto aos serviços de locação dos escoramentos metálicos, transporte e montagem para reforço das estruturas do subsolo das edificações".

Pontes e viadutos

Toda essa discussão sobre a suposta falta de manutenção de pontes, prédios e viadutos do DF tem deixado a população em alerta. Outro ponto turístico sob a mira da "patrulha" no momento é a Ponte JK, inaugurada em 2002.

De acordo com o Ministério Público, a ponte está sem contrato de monitoramento desde abril do ano passado. Para o promotor de Justiça que trata sobre questões de defesa da ordem urbanística Fábio Nascimento, a ponte Honestino Guimarães é outro equipamento que precisa de cuidados.

"A Novacap informou que aguardava liberação de recursos, mas não temos notícia de que tenha existido contrato pra fazer o monitoramento dessa ponte."

"A ponte das Garças também nunca teve previsão de contrato pra fazer esse serviço de monitoramento", pontua Nascimento.

Questionada, a Novacap disse à TV Globo que a obra de reforma da ponte JK será lançada ainda nas próximas semanas, e que será feito um novo contrato de monitoramento.

"O contrato venceu. Estamos com termo de referência praticamente pronto e deve ser publicado nos próximos 10 dias. Está só na fase de ajuste de orçamento. O novo contrato vai ter duração de um ano, prorrogado por mais cinco", explica o diretor-presidente da Novacap Júlio Menegotto.

Tempo de manutenção

Ainda segundo especialistas, a manutenção dos prédios, inclusive os quipamento público, deve ser feita no tempo adequado, a depender da "idade" da construção. Os prédios novos, de até cinco anos, constumam ter garantia da construtora.

Se a idade for de 5 a 20 anos, a manutenção deve ser feita a cada cinco anos. Já para prédios de 20 a 30 anos, os cuidados devem ser redobrados a cada dois e, a partir daí, de ano em ano, como é o caso do viaduto que desabou sobre a Galeria dos Estados.

Última modificação em Sexta, 09 Fevereiro 2018 16:25

Meus itens